Filme Doutor Estranho

11/11/2016
  • Nome original: Dr Strange
  • Autor: Scott Derrickson
  • Ano: 2016
  • Sinopse: Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) leva uma vida bem sucedida como neurocirurgião. Sua vida muda completamente quando sofre um acidente de carro e fica com as mãos debilitadas. Devido a falhas da medicina tradicional, ele parte para um lugar inesperado em busca de cura e esperança, um misterioso enclave chamado Kamar-Taj, localizado em Katmandu. Lá descobre que o local não é apenas um centro medicinal, mas também a linha de frente contra forças malignas místicas que desejam destruir nossa realidade. Ele passa a treinar e adquire poderes mágicos, mas precisa decidir se vai voltar para sua vida comum ou defender o mundo.

O filme Doutor Estranho é um dos passos mais arriscados da extensa cronologia de filmes que compõe o Universo Expandido da Marvel nos cinemas. Isso porque a magia nunca havia sido devidamente introduzida, pois sua complexidade poderia confundir o grande público. Agora Benedict Cumberbatch vive o Mago Supremo da editora nos cinemas e acerta em cheio ao conduzir o telespectador para um universo novo dentro da megatrama da produtora.

O filme conta a origem do mago, por isso vamos aprendendo junto ao personagem sobre o universo da magia, expandindo nossos conhecimentos juntos do arrogante Strange, um médico que acredita apenas na ciência como forma de explicar os acontecimentos do mundo. Ao perder o movimento das mãos em um acidente de carro, o doutor, desenganado pela medicina em recuperar os movimentos da mão, recorre a um tratamento alternativo em Catmandu.

Lá no oriente ele descobre que o centro médico que procurava se tratava de uma linha de frente contra forças malignas, comandada pela Anciâ (tradução literal de Ancient One, que nos quadrinhos é um homem, mas no filme é retratado pela atriz Tilda Swinton). Lá somos introduzidos aos preceitos mágicos em uma cena memorável, em que Strange tem sua primeira experiência extracorpórea. As cenas do aprendizado do personagem são muito bem produzidas e com um ótimo acabamento, equiparando-se a grandes momentos do cinema, como 2001: Uma Odisseia no Espaço, A Origem, entre outros.

Nos cinemas, a ascensão de Strange parece forçada, pois ele aprende técnicas avançadas em um curto período de tempo. Quem não está familiarizado com o personagem dos quadrinhos, pode achar este fato um clichê de roteiro, mas o fato é que Stephen Strange é o mago mais poderoso da Terra e seu Q.I elevado de gênio faz com que seu espírito tenha uma forte ligação com o imaterial. Superado este ponto, podemos acompanhar o desfecho do filme, que traz um vilão pífio ao combate, enquanto outra entidade maligna comanda tudo à distância.

Falamos sobre Dormammu, uma entidade extradimensional que deseja adicionar a Terra ao seu arsenal de planetas mortos na Dimensão Negra, um espaço além do tempo. Enquanto que este é sim uma ameaça exponencial, seu aliado Kaecilius parece um peão descartável, que não transmite medo nem respeito. A conclusão do embate entre o demônio Dormammu e Strange é incrível, diferente de outras mídias e completamente criativa. Um alívio que, infelizmente, não nos faz esquecer o quão mínimo representou as ameaças que o filme trouxe ao mago mais poderoso de seu universo.

No final das contas, Doutor Estranho apresenta bem o uso da magia e como ela se relaciona com o restante do universo estabelecido no cinema. Seu roteiro parece óbvio até a parte final, mas a película compensa pelo esmero com que dirigiu sua arte, entregando cenas maravilhosas e de encher os olhos. O excesso de piadas aleatórias incomoda, embora o resultado final tenha sido um filme que se leva a sério e trata com respeito o mundo mágico criado pela gigantesca Marvel nos quadrinhos.

Andy Rocka

Jornalista, estudou Psicologia,
foi social media do Pontofrio,
trabalhou em revistas de ciência,
como a Superinteressante e
Psique, mas sua paixão mesmo
é música e cultura pop.