A ofuscante presença de Negan

24/10/2016

A sétima temporada de The Walking Dead começou mais violenta e tensa do que qualquer outra première da série. Com quase todos seus personagens principais ajoelhados esperando pela morte, o episódio começa ainda em clima de suspense, para segurar o segredo da trama até o máximo. 

Negan é o grande responsável por todo o medo alimentado desde a season finale da temporada seis até agora. Sua personalidade boderline, sua psicopatia aparente e seu charme o transforma em um verdadeiro Coringa no apocalipse zumbi. Ele arrasta o Rick para um passeio de trailer, a fim de fazê-lo temer sua presença e obedecer sua palavra.

Ao chegarem em um determinado local repleto de walkers, Negan pede para que Rick busque um machado fora da van, no infestado bosque em que estavam. Nesse momento, o personagem é rodeado de mortos-vivos que, por algum motivo, não conseguem mordê-lo. Nem mesmo quando Rick está pendurado em um corpo e seus pés sendo puxado por uma enxurrada de zumbis. Para que a ameaça dos andarilhos já não nos provoca medo.

A estreia da sétima temporada sugere que o maior conflito se dará no campo das relações pessoais, com um vilão extremamente marcante, que não vemos desde o Governador, e um grupo desfalcado e marcado de uma maneira inédita: com medo. Esse é um bom caminho a se tomar, visto que nas temporadas passadas a série se focou na sobrevivência em meio aos mortos-vivos.

O grupo esteve tão voltado a fortalecer os muros de Alexandria e a desviar a manada de zumbis que estava entalada na pedreira, que se esqueceram que a ameaça dos seres humanos continua sendo a maior que existe. “Não sei com quais homens de merda você cruzou por aí, mas eu sou um homem de palavra”, profere o vilanesco Negan antes de acertar sua segunda vítima. E ele tem razão, pois Rick é muito confiante de que pode deter pessoas ruins, mas Negan está acima da maldade.

Negan é um sádico sedento por poder que comanda as pessoas por meio do medo. Os personagens centrais da trama de The Walking Dead já se cruzaram com muitos maníacos, como os canibais e o próprio Governador, mas nenhum deles manipulava um exército inteiro formando uma cadeia de comando entre comunidades. Por isso, a ameaçadora presença do vilão pode ofuscar outros desafios de viver em um mundo apocalíptico.

A trama da temporada anterior foi marcada por um vai e vem que atrapalhava a narrativa e empacava a história. Esperamos que essa temporada seja mais fluída, que os personagens possam ser desenvolvidos sem ter que recorrer a extensos flashbacks. Um vilão de presença também estava fazendo falta, mas não queremos que ameaças como a falta de comida, abrigo, energia e os próprios zumbis sejam banalizadas. Queremos que nossos heróis sejam testados até seus últimos nervos.

Com tanto terror no ar, a tendência é que a tensão tome conta dos próximos capítulos, que devem ser marcados pela ofuscante presença de Negan. E se a série manter o clima pesado deste episódio em seus demais, essa então deve ser a temporada mais marcante de The Walking Dead.

Andy Rocka

Jornalista, estudou Psicologia,
foi social media do Pontofrio,
trabalhou em revistas de ciência,
como a Superinteressante e
Psique, mas sua paixão mesmo
é música e cultura pop.